Média °C
a

MENU
  

NOTÍCIAS

28/04/2021

Sistema Aurora unido para salvar vidas

Aurora Alimentos promove ação de doação de sangue em todo o país para comemorar o Dia Internacional do Cooperativismo

A pandemia do novo coronavírus afetou diversos âmbitos sociais e econômicos. Segundo o Ministério da Saúde, durante o período, os estoques dos hemocentros diminuíram cerca de 20% em todo o Brasil. Para contribuir na transformação desta realidade, a Aurora Alimentos promove a campanha #OrgulhoDeSerDoador. A ação marca o Dia Internacional do Cooperativismo comemorado no primeiro sábado de julho, anualmente, ao redor do planeta.



Durante dois meses, os mais de 36 mil empregados da Aurora nas cinco regiões do país, bem como os funcionários e produtores rurais das cooperativas filiadas à Aurora, serão estimulados a exercer a solidariedade. Eles poderão doar sangue no hemocentro ou banco de sangue mais próximos de sua localidade.



A empregada da Filial de Vendas da Aurora em Fortaleza, Nayara da Silva, está pronta para fazer a doação no Hemocentro do Ceará (Hemoce). “É algo grandioso e importante, um ato tão bonito que traz tanta alegria aos que doam e aos que recebem. Saber que aquele seu pequeno ato pode salvar a vida outras pessoas é algo extraordinário e impagável”, garante a auxiliar de vendas.



A união de todos poderá garantir auxílio em dinheiro para até cinco entidades sociais. Isso porque as doações serão contabilizadas pela Aurora no “Termômetro de doações”, que possui três metas: 300, 600 e 1.000 doações. O termômetro é alimentado pela soma de todas as doações realizadas por meio da campanha.



O presidente da Aurora Alimentos Neivor Canton destaca que a ação vai muito além da comemoração ao Dia Internacional do Cooperativismo. “A campanha demonstra a real força da cooperação, onde milhares de pessoas, em diversos lugares do país, se unem em prol de uma causa tão nobre e essencial para toda a sociedade”, sublinha.



A Campanha #OrgulhoDeSerDoador tem a participação e apoio da Fundação Aury Luiz Bodanese, do projeto Acredite no Cooperativismo e das cooperativas filiadas ao Sistema Aurora: Cooperalfa, Auriverde, Cocari, Cooasgo, Cooper A1, Coopervil, Copercampos, Copérdia e Cooperitaipu.



 



 




Fonte: Assessoria de Comunicação Aurora Alimentos



  • A 1ª Turma Ordinária do CARF, em caso de relatoria do Conselheiro Laércio Cruz Uliana Junior, deu parcial provimento ao recurso Voluntário de uma Cooperativa de saúde para excluir da base de cálculo das contribuições os valores referentes aos repasses a cooperados e os dispêndios com a rede própria.

    A discussão travada no CARF decorre da autuação pela Receita Federal de Cooperativa de saúde em virtude da apuração de falta de recolhimento da Contribuição para o PIS/Pasep, no período de janeiro a dezembro de 2011, e da falta de recolhimento da Contribuição para Financiamento da Seguridade Social – Cofins, no mesmo período.

    Em sua defesa, a Cooperativa apresentou impugnação, sustentando, dentre outros pontos, que o auto de infração foi “constituído sob a premissa de que as cooperativas de saúde praticam atos não cooperativos quando da celebração de contratos de plano de saúde, o que iria de encontro à Lei 5.764, de 1971, em especial os seus artigos 3º, 4º, 5º, 7º e 79º, que estabelecem que as cooperativas podem adotar qualquer gênero de serviço”, requerendo, ao final, “o cancelamento do auto de infração ou, alternativamente, a exclusão da base de cálculo dos valores referentes a receitas financeiras e patrimoniais, dos valores repassados a cooperados, dos destinados à provisão técnica e das receitas de intercambio, lançadas em duplicidade, bem assim o afastamento da multa de ofício e dos juros sobre ela”.

    Na opinião do Dr. Rodrigo Forcenette, advogado especialista em Direito Cooperativo, da Brasil Salomão e Matthes Advocacia, “trata-se de um importante precedente, na medida em que reconhece que os repasses efetivados por Cooperativas de Trabalho Médico/Operadoras de Planos de Saúde aos seus cooperados, assim como os custos com rede própria, decorrentes dos atendimentos médico-hospitalares efetivados aos seus pacientes (contratantes/usuários), devem ser deduzidos da base de cálculo do PIS/COFINS, com fundamento no art. 3, §9º e 9º-A da Lei 9.718/98.”

    Clique aqui para acessar a íntegra da decisão do CARF.