Média °C
a

MENU
  

NOTÍCIAS

22/02/2021

Eleição Alfa: Bet vai para seu quarto mandato

Transcorreu nesta sexta-feira, 19 de fevereiro, a partir de Chapecó, por sistema virtual/semipresencial, a 54ª Assembleia Geral Ordinária da Cooperalfa, com análise e aprovação do balanço 2020, e eleição e posse do Conselho de Administração fev./2021-fev.2025. Cerca de 350 associados se reuniram nas suas filiais de vínculo para o acesso de sinal e participação nas deliberações, conforme previsto no Estatuto Social.

Assim, o Conselho de Administração para os próximos quatro anos, que teve 1/3 dos membros substituídos na eleição de chapa única, é composto por: Romeo Bet (presidente); Cládis Jorge Furlanetto (1º vice-presidente); Edilamar Wons (2º vice-presidente); Admir Antonio Teston, Secretário – regional Xaxim/Xanxerê (que substituiu Luiz Furlanetto Neto); Ademir Casaril (conselheiro Regional Planalto Norte de SC); Arlindo F. Heberle (conselheiro Regional Campo Erê); Alcione Scaratti (Conselheiro Regional coronel Freitas); Gilberto José W. Ody – conselheiro Regional São José do Cedro, que substituiu a Lauro Scalco; Fernando M. Bernardi – Conselheiro regional Quilombo, que substituiu a Alexandre Tansini; Francisco Sedowski, conselheiro regional Chapecó, que substituiu a Claudino Cadore.

Números




A  Alfa fecha 2020 com 20.676 associados, 3.325 funcionários e cerca de 15 mil pessoas envolvidas em eventos on-line. Foram recebidas no período 27,4 milhões de sacas de grãos, 1,4 milhão de cabeças de suínos remetidas para abate na Aurora, mais 106 milhões de aves e 168,5 milhões de litros de leite.
 A indústria de derivados de soja processou em 2020, 245,3 mil ton.; a Nutrisoja, 113,1 mil ton. e a de trigo, 164,4 mil ton. Já a de rações (Nutrialfa), 450,3 mil ton. Foram produzidas no ano passado 411 mil sacas de sementes de soja Semealfa e vendidas 164 mil sacas de sementes de milho. Em fertilizantes, foram movimentados 210.3 mil ton. e a rede Superalfa obteve receita bruta de R$ 449 milhões. Já os postos de combustíveis venderam 18,95 milhões de litros.

O faturamento global fechou em R$ 5.155 milhões (39% a mais sobre 2019), com R$ 279.7 milhões de tributos gerados. A liquidez geral fechou em 1.51 ou seja, para cada real de dívida, a Alfa tem um montante de R$ 1,51 de ativos realizáveis. Para Gilberto Fontana, gerente de controladoria e TI, essa performance “mostra que a Alfa tem capacidade de pagamento, tem condições de gerar benefícios econômicos futuros, com grau do endividamento controlado”.

Os dois maiores investimentos previstos adiante, conforme relatou o presidente Romeo Bet, são a nova indústria de soja na Linha Tomazeli, Chapecó, prevista para funcionar em março de 2022 e que irá consumir perto de R$ 300 milhões, e a primeira etapa de uma Unidade de Produção de Leitões em Sidrolândia, no MS, para 10 mil matrizes, cujo projeto está em fase de orçamentação".




Fonte: Assessoria de Comunicação Cooperalfa



  • A 1ª Turma Ordinária do CARF, em caso de relatoria do Conselheiro Laércio Cruz Uliana Junior, deu parcial provimento ao recurso Voluntário de uma Cooperativa de saúde para excluir da base de cálculo das contribuições os valores referentes aos repasses a cooperados e os dispêndios com a rede própria.

    A discussão travada no CARF decorre da autuação pela Receita Federal de Cooperativa de saúde em virtude da apuração de falta de recolhimento da Contribuição para o PIS/Pasep, no período de janeiro a dezembro de 2011, e da falta de recolhimento da Contribuição para Financiamento da Seguridade Social – Cofins, no mesmo período.

    Em sua defesa, a Cooperativa apresentou impugnação, sustentando, dentre outros pontos, que o auto de infração foi “constituído sob a premissa de que as cooperativas de saúde praticam atos não cooperativos quando da celebração de contratos de plano de saúde, o que iria de encontro à Lei 5.764, de 1971, em especial os seus artigos 3º, 4º, 5º, 7º e 79º, que estabelecem que as cooperativas podem adotar qualquer gênero de serviço”, requerendo, ao final, “o cancelamento do auto de infração ou, alternativamente, a exclusão da base de cálculo dos valores referentes a receitas financeiras e patrimoniais, dos valores repassados a cooperados, dos destinados à provisão técnica e das receitas de intercambio, lançadas em duplicidade, bem assim o afastamento da multa de ofício e dos juros sobre ela”.

    Na opinião do Dr. Rodrigo Forcenette, advogado especialista em Direito Cooperativo, da Brasil Salomão e Matthes Advocacia, “trata-se de um importante precedente, na medida em que reconhece que os repasses efetivados por Cooperativas de Trabalho Médico/Operadoras de Planos de Saúde aos seus cooperados, assim como os custos com rede própria, decorrentes dos atendimentos médico-hospitalares efetivados aos seus pacientes (contratantes/usuários), devem ser deduzidos da base de cálculo do PIS/COFINS, com fundamento no art. 3, §9º e 9º-A da Lei 9.718/98.”

    Clique aqui para acessar a íntegra da decisão do CARF.