Média °C
a

MENU
  

NOTÍCIAS

19/02/2021

Epagri lança novo cultivar de arroz

A Epagri lançou nesta sexta-feira, 19, o seu 33º cultivar de arroz irrigado, o SCS125. O lançamento ocorreu em Rio do Sul, na 3ª Abertura de Colheita de Arroz Irrigado de Santa Catarina, promovida pela Cravil. Em decorrência da pandemia, a cerimônia de lançamento foi restrita a autoridades, mas pode ser acompanhada pelo público no link.



“O lançamento do arroz SCS125 é mais uma prova da excelência da atuação da Epagri na cadeia produtiva do arroz. Tanto esse, como nossos outros cultivares do grão, foram desenvolvidos pensando nas necessidades dos rizicultores catarinenses e buscam oferecer mais produtividade e sustentabilidade nas lavouras. O resultado desse trabalho se vê no campo, com Santa Catarina se firmando cada vez mais como um dos maiores produtores de arroz do Brasil”, declara Edilene Steinwandter, presidente da Epagri.



O arroz SCS125 foi desenvolvido pela Estação Experimental da Epagri em Itajaí (EEI), que é uma referência nacional em pesquisa pública com o grão. “O cultivar destaca-se pelo alto potencial produtivo, boa qualidade de grãos, ciclo longo (tardio), resistência ao acamamento e bom nível de sanidade geral”, descreve Alexander de Andrade, pesquisador da EEI. O SCS125 é indicado para parboilização.



Nos ensaios Valor de Cultivo e Uso (VCU) o novo arroz apresentou excelente desempenho agronômico e estabilidade. Andrade explica que o cultivar é recomendado para cultivo em sistema pré-germinado em todas as regiões produtoras de arroz irrigado de Santa Catarina. “O SCS125 tem uma base genética um pouco maior que alguns outros cultivares da Epagri, sendo oriundo do cruzamento realizado na safra 2007/2008, envolvendo, entre outros genitores, a Epagri 108 e SCSBRS Tio Taka” relata o pesquisador da EEI.



Sanidade



Edivani Coelho, engenheiro-agrônomo da Agrogiusti, já começou a plantar o SCS125 nos campos da empresa produtora de sementes de arroz. A lavoura tem três hectares de sementes básicas e 10 hectares para produção de semente certificada, que depois será revendida aos agricultores interessados. Ele diz que o material vem se comportando muito bem, com um arranque inicial muito adequado, a planta apresentando vigor inicial e perfilhamento muito bom.



A sanidade é destaque na avaliação do Edivani. Ele relata que a condição climática foi muito favorável ao surgimento de doenças, com dias nublados e chuvosos. Apesar do cenário, o engenheiro-agrônomo afirma que o material veio se destacando, em termos de sanidade, dentre os outros cultivares que a Agrogiusti cultiva. “A avaliação do desempenho do cultivar até o momento é muito boa, estamos muito satisfeitos, a expectativa é boa com relação à produtividade, sanidade e qualidade da semente”, relata.



Andrade explica que a Cravil tem sido uma importante parceira do projeto arroz, executado pela Epagri com objetivo de fomentar pesquisas para desenvolver a orizicultura catarinense. Sindarroz-SC, Associação dos Produtores de Sementes de Arroz Irrigado (Acapsa), Finep, Fapesc, CNPq e algumas universidades, entre elas a Udesc/CAV, de Lages, também se destacam nessa parceria.



Dia de Campo



A abertura da colheita e lançamento de novo cultivar de arroz da Epagri integram o Dia de Campo Cravil, que será realizado também de forma on-line entre 17 e 19 de fevereiro. As inscrições podem ser feitas pelo site www.diadecampo.cravil.com.br. No evento, a Epagri irá apresentar suas tecnologias para o arroz, entre elas os cultivares lançados em anos anteriores.




Fonte: Assessoria de Comunicação Epagri



  • A 1ª Turma Ordinária do CARF, em caso de relatoria do Conselheiro Laércio Cruz Uliana Junior, deu parcial provimento ao recurso Voluntário de uma Cooperativa de saúde para excluir da base de cálculo das contribuições os valores referentes aos repasses a cooperados e os dispêndios com a rede própria.

    A discussão travada no CARF decorre da autuação pela Receita Federal de Cooperativa de saúde em virtude da apuração de falta de recolhimento da Contribuição para o PIS/Pasep, no período de janeiro a dezembro de 2011, e da falta de recolhimento da Contribuição para Financiamento da Seguridade Social – Cofins, no mesmo período.

    Em sua defesa, a Cooperativa apresentou impugnação, sustentando, dentre outros pontos, que o auto de infração foi “constituído sob a premissa de que as cooperativas de saúde praticam atos não cooperativos quando da celebração de contratos de plano de saúde, o que iria de encontro à Lei 5.764, de 1971, em especial os seus artigos 3º, 4º, 5º, 7º e 79º, que estabelecem que as cooperativas podem adotar qualquer gênero de serviço”, requerendo, ao final, “o cancelamento do auto de infração ou, alternativamente, a exclusão da base de cálculo dos valores referentes a receitas financeiras e patrimoniais, dos valores repassados a cooperados, dos destinados à provisão técnica e das receitas de intercambio, lançadas em duplicidade, bem assim o afastamento da multa de ofício e dos juros sobre ela”.

    Na opinião do Dr. Rodrigo Forcenette, advogado especialista em Direito Cooperativo, da Brasil Salomão e Matthes Advocacia, “trata-se de um importante precedente, na medida em que reconhece que os repasses efetivados por Cooperativas de Trabalho Médico/Operadoras de Planos de Saúde aos seus cooperados, assim como os custos com rede própria, decorrentes dos atendimentos médico-hospitalares efetivados aos seus pacientes (contratantes/usuários), devem ser deduzidos da base de cálculo do PIS/COFINS, com fundamento no art. 3, §9º e 9º-A da Lei 9.718/98.”

    Clique aqui para acessar a íntegra da decisão do CARF.