Média °C
a

MENU
  

NOTÍCIAS

14/10/2020

Cooper A1 abrirá oficialmente duas novas unidades no Rio Grande do Sul

Está marcada para a próxima sexta-feira, dia 16/10, a abertura oficial das novas unidades da Cooper A1 no Rio Grande do Sul, em Frederico Westphalen e Vicente Dutra. Devido a pandemia e buscando evitar aglomeração, não haverá evento de inauguração aberto ao público. A compra das unidades foi aprovada em Assembleia Geral Extraordinária ainda em agosto deste ano.



As estruturas foram adquiridas da empresa Agricenter, e as filiais passaram por adequações dos protocolos e processos internos padrões. O gerente da unidade é Flávio Coletto, que já está há 18 anos na Cooperativa A1 e tem experiência no cargo de gerência. As novas unidades possuem escritórios, armazéns de insumos, silos metálicos, balança, moegas, sala de máquinas, tombadores, fábrica de farelo e óleo de soja, entre outros equipamentos. Em Frederico Westphalen, há capacidade estática para 240 mil sacas de grãos e a balança tem capacidade para 100 toneladas. Com estas, a cooperativa soma 13 unidades de recebimento de grãos e amplia sua capacidade de recebimento para aproximadamente 150 mil toneladas de grãos.



O presidente da Cooper A1, Elio Casarin afirmou que a compra visa, principalmente, reforçar a demanda por matéria-prima das fábricas de rações da cooperativa, destacando que se trata de uma região com potencial para produção de grãos. “Discutimos amplamente o negócio e entendemos ser um importante avanço e oportunidade para a cooperativa. A intenção é beneficiar os produtores rurais ligados à antiga empresa proprietária, da qual adquirimos a estrutura, bem como os demais cooperados da região e abastecer nossa atividade industrial com matéria-prima de qualidade”, destaca.



 




Fonte: Assessoria de Imprensa Cooper A1



  • A 1ª Turma Ordinária do CARF, em caso de relatoria do Conselheiro Laércio Cruz Uliana Junior, deu parcial provimento ao recurso Voluntário de uma Cooperativa de saúde para excluir da base de cálculo das contribuições os valores referentes aos repasses a cooperados e os dispêndios com a rede própria.

    A discussão travada no CARF decorre da autuação pela Receita Federal de Cooperativa de saúde em virtude da apuração de falta de recolhimento da Contribuição para o PIS/Pasep, no período de janeiro a dezembro de 2011, e da falta de recolhimento da Contribuição para Financiamento da Seguridade Social – Cofins, no mesmo período.

    Em sua defesa, a Cooperativa apresentou impugnação, sustentando, dentre outros pontos, que o auto de infração foi “constituído sob a premissa de que as cooperativas de saúde praticam atos não cooperativos quando da celebração de contratos de plano de saúde, o que iria de encontro à Lei 5.764, de 1971, em especial os seus artigos 3º, 4º, 5º, 7º e 79º, que estabelecem que as cooperativas podem adotar qualquer gênero de serviço”, requerendo, ao final, “o cancelamento do auto de infração ou, alternativamente, a exclusão da base de cálculo dos valores referentes a receitas financeiras e patrimoniais, dos valores repassados a cooperados, dos destinados à provisão técnica e das receitas de intercambio, lançadas em duplicidade, bem assim o afastamento da multa de ofício e dos juros sobre ela”.

    Na opinião do Dr. Rodrigo Forcenette, advogado especialista em Direito Cooperativo, da Brasil Salomão e Matthes Advocacia, “trata-se de um importante precedente, na medida em que reconhece que os repasses efetivados por Cooperativas de Trabalho Médico/Operadoras de Planos de Saúde aos seus cooperados, assim como os custos com rede própria, decorrentes dos atendimentos médico-hospitalares efetivados aos seus pacientes (contratantes/usuários), devem ser deduzidos da base de cálculo do PIS/COFINS, com fundamento no art. 3, §9º e 9º-A da Lei 9.718/98.”

    Clique aqui para acessar a íntegra da decisão do CARF.