Média °C
a

MENU
  

NOTÍCIAS

09/10/2020

Sistema Ailos, em parceria com a Confebras, lança nova versão do programa CooperaEduca 100% on-line

Finanças é assunto de criança? Com certeza! E para provar isso, o Sistema Ailos está lançando uma nova edição do CooperaEduca. O CooperaEduca é um projeto de educação financeira e cooperativista da Confebras (Confederação Brasileira das Cooperativas de Crédito) utilizado por cooperativas de todo o Brasil em escolas e eventos presenciais voltados para o público infantil.



Neste ano, devido à pandemia, as cooperativas que integram o Ailos lançam um material totalmente novo, digital e gamificado. “Esta é uma opção para as cooperativas continuarem sua atuação junto ao público infantil, divulgando o cooperativismo, estimulando a educação financeira, e ainda aumentando a participação de seu quadro social”, comenta Ana Luisa Kienen, responsável pelo projeto no Sistema Ailos.



O CooperaEduca oferece uma trilha interativa com desenhos animados, jogos on-line, músicas exclusivas e muitas outras atividades, fazendo com que o aprendizado aconteça de forma leve e divertida. “As crianças terão contato com o conceito de educação financeira, sua importância, o uso consciente do dinheiro, mas também com a ideia de cooperação, sustentabilidade, união, amizade e sonhos para um mundo melhor. O conteúdo é acessível em Libras e foi construído com foco nas crianças, com percursos de atividades diferenciadas e de acordo com sua idade”, explica Ana.



Crianças de seis a 12 anos de idade podem participar do projeto que se estende a colaboradores, cooperados e também à comunidade em geral, beneficiando inclusive os professores, que podem trabalhar em seu plano de aula temas relacionados à educação financeira, cooperação e consumo sustentável. O conteúdo digital está alinhado às estratégias da BNCC (Base Nacional Comum Curricular).



 Com o slogan “Cooperar e poupar também é coisa de criança”, o conteúdo está disponível na plataforma de ensino à distância PROGRID.




Fonte: Assessoria de Imprensa Sistema Ailos



  • A 1ª Turma Ordinária do CARF, em caso de relatoria do Conselheiro Laércio Cruz Uliana Junior, deu parcial provimento ao recurso Voluntário de uma Cooperativa de saúde para excluir da base de cálculo das contribuições os valores referentes aos repasses a cooperados e os dispêndios com a rede própria.

    A discussão travada no CARF decorre da autuação pela Receita Federal de Cooperativa de saúde em virtude da apuração de falta de recolhimento da Contribuição para o PIS/Pasep, no período de janeiro a dezembro de 2011, e da falta de recolhimento da Contribuição para Financiamento da Seguridade Social – Cofins, no mesmo período.

    Em sua defesa, a Cooperativa apresentou impugnação, sustentando, dentre outros pontos, que o auto de infração foi “constituído sob a premissa de que as cooperativas de saúde praticam atos não cooperativos quando da celebração de contratos de plano de saúde, o que iria de encontro à Lei 5.764, de 1971, em especial os seus artigos 3º, 4º, 5º, 7º e 79º, que estabelecem que as cooperativas podem adotar qualquer gênero de serviço”, requerendo, ao final, “o cancelamento do auto de infração ou, alternativamente, a exclusão da base de cálculo dos valores referentes a receitas financeiras e patrimoniais, dos valores repassados a cooperados, dos destinados à provisão técnica e das receitas de intercambio, lançadas em duplicidade, bem assim o afastamento da multa de ofício e dos juros sobre ela”.

    Na opinião do Dr. Rodrigo Forcenette, advogado especialista em Direito Cooperativo, da Brasil Salomão e Matthes Advocacia, “trata-se de um importante precedente, na medida em que reconhece que os repasses efetivados por Cooperativas de Trabalho Médico/Operadoras de Planos de Saúde aos seus cooperados, assim como os custos com rede própria, decorrentes dos atendimentos médico-hospitalares efetivados aos seus pacientes (contratantes/usuários), devem ser deduzidos da base de cálculo do PIS/COFINS, com fundamento no art. 3, §9º e 9º-A da Lei 9.718/98.”

    Clique aqui para acessar a íntegra da decisão do CARF.