Leitura para Professores

O fazer pedagógico

O tema fazer pedagógico é entendido como algo de “como o indivíduo vai ser levado ao conhecimento”. Podemos analisar que “a teoria é um modelo da realidade e a prática a experiência desse modelo”. Algo que é apenas transmitido na teoria fica somente no abstrato. Para se tornar concreto e completo deve permear a experimentação, algo tátil para que possamos descrever aquilo que é real.

A citação de Paulo Freire, “faz parte da natureza da prática docente a indagação, a busca, a pesquisa”, nos eleva a um entendimento de que o educador deve estar sempre envolvido na vida de seus alunos para proporcionar algo novo que busca constantemente o fazer pedagógico, uma identidade da maneira de se ensinar e de aprender.

Dessa forma podemos conceituar a teoria como instrumento e, unido a prática como ferramenta do fazer aprendendo e aprender fazendo. O fazer pedagógico deve ser construído no cotidiano. É sempre dinâmico e deve provocar a resolução de problemas. O que devemos fazer é analisar o contexto do nosso público-alvo, proporcionando-lhes a busca para serem autônomos na tomada de decisões e na constante reflexão do seu papel como agente de transformação no mundo.

Paulo Freire já destacou em sua prática educativa que “a leitura do mundo precede a leitura da palavra”. Freire nos faz refletir que não adianta apenas aprender a escrever tijolo ou cimento. É preciso entender o que o tijolo e o cimento significam na vida de quem aprende.

A responsabilidade social do docente

Para falar da responsabilidade social do profissional docente devemos traçar uma reflexão séria da ação de educar e de aprender. Pensar o papel do educador e o modelo de construção e reconstrução da escola é assumir uma identidade frente aos novos paradigmas de uma sociedade justa e humana para todos. Uma sociedade onde os valores sejam preservados para o bom comportamento humano num completo mundo de contrastes.

É plausível discutirmos a formação ética e estética dos educadores para termos um entendimento da real importância da ação educativa. Estamos vivendo numa sociedade banalizada onde princípios humanos ficaram de lado e sem o menor sentido. Há muito tempo deixamos de “ser” para “ter”. Estamos vivendo numa era da coisificação da espécie humana.

Diante desse cenário a nossa responsabilidade enquanto educador é se lançar nesse árduo desafio e traçarmos mecanismos de mudanças de comportamentos e atitudes, principalmente voltados à sensibilidade humana. O que temos vivenciado neste mundo é um conflito de identidade entre valores materiais e valores conceituais. Temos atribuído alto valor às coisas e estamos esquecendo as pessoas.

A nossa estética (entendida como algo que se refere à beleza, a maneira de se apresentar) não tem se voltado para a sensibilidade do perceber e entender o ser. A nossa estética (pelo menos do mundo pós-moderno) não pode passar os olhos para a beleza exterior e de valores materiais e nem tanto para entendimentos conceituais.

A ética, entendida como cultura de princípios de valores humanos e de atitudes permeia a nossa sociedade, muitas vezes isoladas de uma identidade imposta por meras normas e estilos de vida. Devemos levar em conta algo que constrói a nossa identidade social, mas que, de certa forma molda o nosso comportamento e a maneira de ser. Será que a chamada ética que preserva os valores sociais e comportamentais nos tira a autonomia de cidadãos? A resposta nos parece óbvia. Que conjunto de valores, regras e normas são necessários para ajustar uma sociedade de contrastes?

O principal papel do educador é o de preservar valores humanos e sociais e assumir a responsabilidade pelos nossos atos e nos colocarmos diante de uma compreensão de estar no mundo e participar ativamente dele.

Paulo Freire nos chama a atenção de que o educador que diz uma coisa e faz outra acaba sendo prejudicial. Não podemos assistir a mudança, temos que estar na mudança. A responsabilidade social do educador aparece no seu fazer pedagógico.

Em suma, podemos concluir que a ação de ensinar e aprender envolve sentimento, sensibilidade e deve, portanto, ser o alicerce na transformação social que tanto se deseja.

https://www.portaleducacao.com.br/conteudo/artigos/educacao/o-fazer-do-ensinar-e-aprender/58274

Envie para

Comments

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *