Temas em Foco

Cooperjovem – prática coletiva de caráter transversal

É sempre bom lembrar! O Programa Cooperjovem é uma ação pedagógica complementar à escola, voltado à aplicação concreta na vida de estudantes, famílias e comunidades envolvidas, ao desenvolvimento da sua sociabilidade. O tratamento das temáticas acontece a partir de valores e princípios cooperativistas e de situações-problema detectadas de forma participativa.

A experiência que se propõe por meio do Programa depende, em grande parte, da ênfase na construção do conhecimento, alicerce para a reflexão sobre as práticas sociais com potencial para promover a transformação de modos de vida, o que só pode se tornar real pelas mãos de cidadãos capazes de entender e projetar uma sociedade mais justa e solidária.

Ao abordar o mundo cooperativo, o Programa se propõe a ampliar o debate sobre valores, modos de convivência e participação nas decisões que afetam a vida das pessoas, em especial, de crianças e jovens que vivem o mundo da escola. Para isso, investe na criação de práticas educacionais inovadoras que dialoguem com suas expectativas e interesses.

Nesse sentido, a educação cooperativa parece ser um caminho viável para a geração de aprendizagens significativas, as quais dependem, fundamentalmente, da qualificação profissional para a adoção de métodos de ensino também significativos, ou seja, que incentivem a reflexão sobre a realidade e a criatividade na solução de questões cotidianas.

Viver a cooperação significa adotar a solidariedade, a ajuda mútua, o diálogo e a abertura para perceber o outro como sujeito, atitudes que, por não serem recorrentes na nossa sociedade, exigem que os sistemas educacionais invistam numa educação cooperativa, pois é por meio dela que as mudanças desejadas podem vir a se concretizar.

Quem são os/as estudantes? O que esperam da escola? é a dica que organiza a leitura da quinzena, com a expectativa de remeter os leitores a pensarem sobre quem são os atores principais do ambiente escolar, seja em relação às questões voltadas à subjetividade (quem são, quais são seus sonhos, como se veem, o que esperam da sociedade onde vivem), ao saber (o que já sabem, o que gostariam de aprender, quais são seus projetos, como veem a escola) e à sociabilidade (como convivem, quais são suas referências de conduta) de adolescentes e jovens, atores principais do processo de educação.

Publicamos o texto Participação juvenil – entendendo o significado na categoria gestores e equipe pedagógica, para possibilitar a compreensão do processo de construção da cidadania ativa, a qual inclui várias possibilidades de atuação desenvolvida pelos jovens. O desenvolvimento de ações e atividades locais pelos jovens que ajudam na construção e na promoção da cidadania ativa é considerado como participação juvenil. A participação juvenil desenvolve o pensamento e a criatividade das novas gerações, gera ideias e soluções para lidar com as cidades do futuro e seus problemas.

Na sequência, sugerimos aos professores, mas também aos gestores, a leitura do texto Participação juvenil – quem são os jovens, com a intenção de subsidiar outras leituras e contextualizar a sociedade jovem brasileira. Não há como preparar para o futuro, é urgente que se eduque os jovens para usufruírem seus direitos no presente, de tal forma que eles sejam protagonistas para buscarem a complementaridade da educação escolar e desenvolver competências, para se beneficiarem com as novas tecnologias, para ampliarem seus universos de reflexão e para intervirem crítica e criativamente nas questões e problemas que lhes dizem respeito. O cooperativismo é uma via participativa com potencial para promover a cidadania, no qual é valorizado o acesso às informações, liberdade para dar opiniões, participar de decisões que envolvam o coletivo, reivindicar direitos, influenciar políticas públicas.

A sugestão de leitura Práticas associativas vem para ampliar o universo da participação e subsidiar os professores para a organização da atividade do debate. São bastante antigas as iniciativas de cooperação para a busca de ações que concretizem interesses comuns, pois nas práticas associativas as pessoas se aglutinam, trocam experiências, convivem, criam laços de confiança, constroem vículos que geram oportunidades de crescimento e desenvolvimento.

O costume de congregar interesses diversificados é típico de sociedades solidárias cuja organização social está aberta para o sentido de comunidade, típico do Cooperjovem, que tem na interação e na participação social (para os jovens o protagonismo) um caminho a ser percorrido em busca de uma sociedade mais cooperativa.

Complementarmente, trazemos a sugestão de atividade Debates – atividade preparatória, opiniões e argumentos, com a intenção de proporcionar uma prática cooperativa que abre espaço para a fala e a escuta. Os debates nada mais são do que diálogos coletivos. Por meio deles os alunos podem compartilhar e discutir suas opiniões, ver de diferentes ângulos uma mesma situação, e até rever seus conceitos. As experiências de vida são outro fator que anima os debates em sala de aula, pois trazem à tona conhecimentos e posições que são extraídos do diálogo familiar e expressam saberes sobre a realidade, por isso o seu relato deve ser estimulado. O tema proposto, em geral, agrada bastante aos estudantes.

O Desafio do Protagonismo Juvenil é a sugestão de vídeo da quinzena. O Documentário mostra a experiência do protagonismo juvenil na Rede Amiga da Criança. O vídeo é uma realização do projeto Disseminando a Cultura de Redes Sociais, operacionalizado administrativamente pelo Centro de Cultura Negra do Maranhão (CCN-Ma), com patrocínio da Petrobrás.

 

Boa leitura, bom trabalho

Equipe Cooperjovem SC

Envie para

Comments

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.