Leitura para Gestores e Equipe Pedagógica

Protagonismo na escola

Os estudantes podem e querem ser protagonistas na transformação dos espaços escolares, com projetos culturais que propiciem suas manifestações, colocando em discussão as questões de seu cotidiano, ligadas aos mais diferentes assuntos: de esportes a questões políticas e escolares. Eles são capazes não só de identificar problemas e demandas, mas também de desenhar soluções, emitir opiniões, criar e transformar positivamente o meio em que vivem. Fazem uso competente das mídias sociais e da tecnologia, que podem ser colocadas a serviço da melhoria das condições dos ambientes escolares e da comunidade onde estão inseridos.

Sua escola pode trazer o jovem para repensar os espaços e pensar em soluções junto com a equipe. Valorize a organização dos grêmios, potencialize os representantes dos alunos, incentive a organização de eventos e a participação na vida escolar, promova debates e rodas de conversa sobre assuntos da atualidade, leve para dentro da escola o contexto no qual eles estão inseridos. Canalizando toda a energia da juventude em prol da aprendizagem, a escola ganha vida internamente e significado para seus alunos.

Além de um compromisso ético, a opção pelo desenvolvimento de propostas baseadas no protagonismo juvenil demanda do educador uma clara vontade política no sentido de contribuir para a construção de uma sociedade que respeite a cidadania e aumente os níveis de participação democrática. Para que isso ocorra, o professor deve evitar posturas que inibam a participação plena dos jovens.

Confira sete posturas assumidas ao trabalhar com jovens que podem prejudicar o desenvolvimento do protagonismo juvenil:

  1. Anunciar decisões já tomadas, reservando aos jovens apenas o dever de acatar;
  2. Decidir previamente e depois tentar convencer o grupo a assumir a decisão tomada pelo educador, como se fora sua própria decisão;
  3. Apresentar uma proposta de decisão e convocar o grupo para discuti-la;
  4. O professor apresenta o problema, colhe sugestão dos jovens e depois decide;
  5. O educador apresenta o problema, colhe sugestões e decide com o auxílio do grupo;
  6. O professor estabelece os limites de determinada situação e solicita aos adolescentes que tomem decisões dentro desses limites;
  7. Deixar a decisão a cargo do grupo, sem interferir no processo que a originou.

Agora que você já viu o que não se deve fazer ao estimular o protagonismo juvenil, que tal incentivar um projeto coletivo que envolva a cooperação desde a tomada de decisão em sua escola?

Adaptado de https://gestaoescolar.org.br/conteudo/1169/valorize-o-protagonismo-juvenil-na-escola e http://impulsiona.org.br/atitudes-que-inibem-o-protagonismo-juvenil/

Envie para

Comments

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *